Arquivos da categoria: Lição Adultos

Lição Adultos - Estudo adicional - 28/08/2015

 Baixar Áudio

 

 

Leia, de Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 188-200: “Judeus e Gentios”.

“Pedro falou de seu assombro quando, ao transmitir as palavras da verdade àquela assembleia na casa de Cornélio, testemunhou que o Espírito Santo Se havia apossado de seus ouvintes, tanto gentios como judeus. A mesma luz e glória que se refletira sobre os judeus circuncidados, brilhou igualmente na face dos incircuncisos gentios. Isso era uma advertência de Deus a Pedro para que não considerasse pessoa alguma inferior a outra, porque o sangue de Cristo pode limpar de toda a imundícia. […]

“O discurso de Pedro levou a assembleia ao ponto de poderem ouvir com paciência a Paulo e a Barnabé, que relataram suas experiências na obra pelos gentios” (Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 193, 194).

Perguntas para reflexão

  1. A visão de Pedro tem sido explicada de maneira a apoiar o argumento de que as leis dietéticas do Antigo Testamento não mais são válidas – como justificativa para se comer carnes imundas. O significado da visão foi claramente explicado pelo próprio Pedro: “Deus me demonstrou que a nenhum homem considerasse comum ou imundo” (At 10:28). Portanto, a visão não foi sobre alimentação, mas sobre aceitação de outros seres humanos como filhos de Deus, não importando a etnia, nacionalidade, ocupação ou religião. Porém, por que as pessoas usam a visão como argumento na questão da dieta? Que cuidado devemos ter ao lidar com as Escrituras?
  2. Leia Romanos 2:14-16. De que maneira devemos considerar essa ideia em termos de missões? Se aqueles que não têm a lei escrita a têm gravada no coração, por que precisamos pregar a eles?
  3. O Concílio de Jerusalém foi um modelo para a igreja hoje (At 15:1-35). Quais são algumas das coisas específicas desse concílio que constituem um modelo? Por exemplo, procure coisas como: (1) testemunhos pessoais sobre a obra missionária; (2) o papel do evangelho; (3) o papel das Escrituras; (4) o papel das missões; e (5) a maneira pela qual as pessoas se relacionaram no concílio.

 

 

 

Respostas sugestivas: 1. O derramamento do Espírito se manifestou por meio do dom de línguas, que não teria sentido se o evangelho não devesse ir a outras nações. Já que os primeiros discípulos de Cristo eram judeus, eles constituíam o núcleo que devia levar avante essa obra. 2. Que todas as pessoas são candidatas a receber salvação e que, portanto, devemos testemunhar a todos. 3. Ele disse que todos estavam ali prontos para ouvir tudo o que Deus havia ordenado a Pedro. 4. O anjo falou a Cornélio que Pedro lhe diria palavras mediante as quais ele e sua casa seriam salvos, o que significa que, mesmo sendo piedoso, Cornélio ainda precisava conhecer a salvação. 5. Cornélio, mesmo antes de conhecer a salvação em Jesus, agia em conformidade com a lei gravada em seu coração, mostrando que era sensível à atuação do Espírito Santo. 6. Seu preconceito estava tão arraigado que Deus lhe deu uma visão chocante para que sua mente se abrisse. O Espírito Santo teve que lhe ordenar que fosse à casa de um gentio, porque isso era proibido segundo os padrões judaicos. 7. Foi tomada a decisão de que a observância da circuncisão e outras práticas específicas da nação judaica não deviam ser impostas aos gentios, enquanto foi mantida a observância dos princípios bíblicos universais.

Lição Adultos - O decreto de Jerusalém - 27/08/2015

 Baixar Áudio

 

 

O sucesso inicial da missão em favor dos gentios levantou a questão crucial para a igreja primitiva em relação ao fato de os gentios se tornarem crentes em Jesus, uma crença que os enxertava na religião bíblica (Rm 11:17). Sempre aparecem tensões quando pessoas de outras religiões e culturas se unem a uma comunidade estabelecida de crentes. Nesse caso, cristãos judeus, com sua elevada consideração pelas exigências das leis e rituais do Antigo Testamento, presumiram que os conversos gentios aceitariam e seguiriam essas leis e rituais. O foco principal era a circuncisão, o sinal fundamental de entrada na comunidade judaica para as pessoas do sexo masculino, que simbolizava a conformidade com todas as exigências do judaísmo. Devia-se exigir que os gentios que se convertiam ao cristianismo se submetessem à circuncisão? Alguns cristãos da Judeia certamente achavam que sim, e declararam sua convicção em rigorosa linguagem teológica: para eles, isso era essencial para a salvação.

7. O que aconteceu no Concílio de Jerusalém que ajudou a resolver essa importante questão? At 15:1-35

Embora a questão da circuncisão fosse a principal razão para o Concílio de Jerusalém, ele tratou de várias práticas culturais que o evangelho não requeria de seus conversos. O decreto do concílio (v. 23-29) proporcionou uma plataforma comum, onde cristãos judeus e gentios podiam coexistir em companheirismo. Os valores centrais do judaísmo foram respeitados, mas foi permitido aos gentios que evitassem a circuncisão. A decisão do concílio foi não só prática, mas teológica. Estabelecia um padrão para que a igreja lidasse com as questões e os problemas, antes que causassem divisão. Missionários experientes aprendem a identificar as questões centrais da fé cristã e a manter o foco nelas, em vez de ficar presos a coisas que não são essenciais à fé.

Que lição podemos extrair do Concílio de Jerusalém que poderia ajuda a igreja hoje a lidar com assuntos controvertidos? O que eles fizeram que serve de modelo para nós?

Lição Adultos - A visão de Pedro - 26/08/2015

 Baixar Áudio

 

 

Como vimos ontem, quando Pedro fez contato com Cornélio, teve uma mudança de atitude e opinião a respeito dos gentios que outros cristãos judeus ainda não haviam alcançado (At 10:44, 45). O que aconteceu que mudou a conduta de Pedro?

6. Leia Atos 10:9-22 e 11:1-10. As atitudes erradas de Pedro prejudicavam o cumprimento da missão? Por que foi preciso uma experiência sobrenatural para que a mente de Pedro se abrisse?

A conversão de Cornélio e o papel de Pedro na tarefa de testemunhar foram tão importantes para a missão da igreja que Deus Se comunicou de maneira sobrenatural, tanto com o missionário quanto com aquele que viria a ser seu anfitrião: enquanto o anjo visitava Cornélio, foi dada uma visão a Pedro.

Além disso, Pedro ficou em Jope, na casa de um curtidor (At 9:43; 10:6, 32), um detalhe que não podemos passar por alto. O curtimento e os curtidores eram repulsivos aos judeus, uma vez que lidavam com animais mortos e usavam excrementos no processo. Os curtumes não eram permitidos nas cidades; notem que o de Simão ficava localizado “à beira-mar” (At 10:6).

A estada de Pedro com um curtidor indicava que, mesmo antes de sua visão, ele já havia percebido que algumas de suas atitudes passadas estavam em desacordo com o evangelho. Tanto Pedro quanto a família de Cornélio precisavam se livrar de parte de sua bagagem cultural. Todas as pessoas, representadas por todos os tipos de animais na visão de Pedro, eram filhas de Deus.

O chamado de Pedro para testemunhar a Cornélio implicava que, embora todas as pessoas sejam aceitáveis a Deus, nem todas as religiões são igualmente aceitáveis. Cornélio já era homem “religioso”, como quase todas as pessoas na sociedade antiga. Como soldado, ele devia estar familiarizado com a adoração a Mitra, e como oficial já devia ter tomado parte no culto ao imperador. Mas essas coisas não eram aceitáveis a Deus.

Encontramos nesse ponto uma lição para os que abordam as religiões não cristãs em base de igualdade com o cristianismo. Embora isso às vezes seja feito no espírito do que é politicamente correto, tal atitude leva a uma diminuição da importância das reivindicações bíblicas a respeito da singularidade e da supremacia cristãs.

Como podemos mostrar respeito pelas pessoas cuja fé cremos estar errada sem dar a impressão de que aceitamos suas crenças? Qual é a diferença entre respeitar as pessoas e honrar suas crenças?

Lição Adultos - A conversão de Cornélio – parte 2 - 25/08/2015

 Baixar Áudio

 

 

“Então, falou Pedro, dizendo: Reconheço, por verdade, que Deus não faz acepção de pessoas; pelo contrário, em qualquer nação, aquele que O teme e faz o que é justo Lhe é aceitável” (At 10:34, 35). Embora essas palavras, para nós, não sejam tão revolucionárias, vindas de Pedro elas constituíram uma confissão surpreendente. Temos que nos lembrar de quem era Pedro, sua origem e suas atitudes, com as quais ainda lutava. (Ver Gl 2:11-16.) Porém, sem dúvida, sua experiência com Cornélio o ajudou a ver, ainda mais claramente, o erro de seu comportamento, e a ter uma visão melhor do que Deus pretendia fazer com a mensagem do evangelho.

3. Leia Atos 10:33. Quais palavras de Cornélio a Pedro demonstram que, apesar de sua falta de conhecimento, ele entendia que seguir ao Senhor também significava obedecer-Lhe?

4. Leia Atos 11:14. Por que devemos levar o evangelho até mesmo para pessoas piedosas como Cornélio?

5. De que forma Romanos 2:14-16 nos ajuda a entender o que estava acontecendo com Cornélio?

Como vimos, Cornélio era um gentio “temente a Deus” (At 10:2), embora ainda tivesse muito a aprender, como ocorre com todos nós. Contudo, seus jejuns, orações e esmolas revelavam um coração aberto ao Senhor; assim, quando chegou o tempo certo, Deus atuou maravilhosamente em sua vida.

Um importante ponto a ser lembrado nesse relato é que, embora o anjo tivesse aparecido a Cornélio, não pregou o evangelho a ele. Em vez disso, o anjo abriu caminho para que Cornélio se encontrasse com Pedro, que, então, lhe falou sobre Jesus (At 10:34-44). Podemos ver aqui um exemplo de como o Senhor usa os seres humanos como Seus mensageiros neste mundo.